12 de M06, 2019
Duarte Cerdeira
Instrutor de Fitness e PT de 30 anos, natural de Braga. Aos 27 anos descobriu que tinha diabetes tipo 1, aprendendo a lidar e a incorporar o treino como parte da terapia.
Natural de
Braga
Idade
30
Altura
1,75 m
Peso
73 kg
Quando é que começaste a ter cuidado com a tua forma física e o que te levou a começar a treinar?
O meu percurso no Desporto começou bem cedo. Tinha cerca de 6 anos e já era um adepto assíduo de andebol, nomeadamente do ABC de Braga. Estimulado pelo meu pai, comecei a praticar a modalidade neste clube, onde me mantive até aos 17 anos como atleta. Durante esse período, tive uma pequena passagem no Judo e acima de tudo um amor partilhado pela prática de todos os outros desportos, mesmo que de forma lúdica. Porém, após tantos anos de prática desportiva, parei durante dois anos, enquanto frequentei o curso de Enfermagem na Universidade do Minho.

Depois de perceber qual o meu caminho, entrei em Ciências do Desporto na Universidade de Vila Real. Com 21 anos e uma forma física bastante pior do que aquela que nunca tinha precisado de almejar, comecei lentamente a entrar no ritmo de treino. Primeiro, com os desportos coletivos e individuais exigidos no curso e, depois, com treino em ginásio e aulas de grupo aquando da escolha do ramo específico.

O tipo de treino que mantenho até hoje, com 30 anos, é o treino de musculação, usando diferentes metodologias e, claro, as aulas de grupo que são parte do meu trabalho.
E atualmente, o que te motiva a treinar?
Para além de gostar de treinar, o meu interesse pela prática desportiva é sem dúvida motivado pela presença duma doença crónica (diabetes tipo 1) no meu dia-a-dia. Dado que desde os 27 anos vivo com a diabetes, fui percebendo por conhecimento empírico e pelo que a literatura me transmitiu, que diferentes tipos de treino têm efeitos benéficos no controlo da doença e consequente atenuar das complicações associadas.

Tento inspirar os outros enquanto introduzo o treino na terapêutica. Porém, sempre existiram outras causas para treinar: ser instrutor de fitness; aumento das capacidades físicas; e a própria estética, que foi importante na construção de auto-estima até certo ponto - o ponto em que percebi que não é o mais importante.
Como é um dia típico para ti?
Apesar do meu horário de trabalho ser diferente todos os dias, levanto-me por volta das 9h30, tomo um bom pequeno-almoço enquanto revejo treinos de Personal Training ou coreografias das aulas, vou para o Liberty Fitness Center onde treino na musculação e dou uma média de 4 a 5 aulas de fitness e alguns treinos de PT.

No final do dia, vou para casa às 21h30 onde janto enquanto falo um pouco com a minha família. Depois disso, dou uma olhada no instagram, leio um pouco seja sobre trabalho ou não e como algo antes de me deitar. No meio de tudo isto, tenho as medidas da glicemia sanguínea antes de comer ou treinar e 5 administrações de insulina em média… pormenores!
Como é o teu estilo de treino semanal?
Para além do treino mais aeróbio que faço em cerca de 10 das 20 aulas semanais, também faço treino de musculação, por vezes com variantes mais “funcionais”. No treino de força, atualmente divido por pernas/ombro, peito/tricep e costas/bicep. Tento fazê-lo 5 vezes por semana, sendo que na semana seguinte recomeço onde terminei. O treino tem um volume à volta das 12 séries por grupo muscular, cada série pode variar entre 1 e 20 repetições dependendo do objectivo desse treino específico, porém, normalmente faço entre as 10 e as 15, onde uso a percepção do esforço em vez do método tradicional de percentagem de 1RM. No meio disto tudo, faço BodyBalance e esporadicamente vou fazendo calisténicos, cross training, pliometria e corrida, sempre respeitando a minha recuperação para que não entre em overtranning e para que este tipo de treino concorrente (aeróbio e treino de força) não se torne interferente.
Quais são os teus hábitos alimentares?
A minha alimentação, apesar do que possa parecer à primeira vista, não é muito restritiva. Se exagerar nos doces, fast food ou gorduras saturadas sinto o efeito nos meus valores, no entanto, se isso não for a norma, posso ir comendo o meu chocolate ou o meu hambúrguer com alguma regularidade.

Não acredito em estilos alimentares a não ser no equilíbrio, portanto como de tudo evitando gorduras saturadas e açúcar em exagero. Além disso, tento dividir as refeições proteicas ao longo do dia por causa da biodisponibilidade de aminoácidos, faço ingestão de legumes em todas as refeições para controlar um pouco a glicemia pós-prândial, como algumas gorduras monoinsaturadas e faço uma boa distribuição dos hidratos diários.

Não acredito muito em cheat days, mas mais em cheat meals. Penso que são essenciais no controlo das compulsões alimentares e defendo que se devam fazer com alguma rotina e não depois de grandes privações. Não tomo qualquer tipo de suplemento e o meu pré-treino e pós-treino são alimentos com mais ou menos 15-20g de hidratos de carbono. Consumo-os para usufruir das suas propriedades energéticas e anabólicas, mas também para prevenção de hipoglicemias. Se tomasse algum tipo de suplementação seria Creatina, pois é o único suplemento com boas evidências cientificas.
Que influência tem o treino na tua vida?
O treino tem uma influência enorme na minha vida. Para muitas pessoas é estético, mas acredito que isso é uma ideia muito inicial no treino. Conforme vamos criando rotinas, o seu impacto na nossa vida transforma a parte estética em apenas mais um benefício e começamos a perceber os efeitos no dia a dia, na saúde e no bem estar.

Inicialmente, no meu caso, o treino (ginásio) promoveu uma melhoria da minha condição cardio-respiratória e desenvolveu as minhas habilidades sociais que derivavam não só do facto de ser obrigatório no meu emprego, mas também porque me fui tornando mais confiante. Pela primeira vez percebi que a sensação de evoluir num determinado gesto e ao mesmo tempo beneficiar a minha saúde superava largamente a busca do corpo perfeito.

No entanto, foi quando descobri a minha doença que tudo fez ainda mais sentido. O facto de um treino mais aeróbio ajudar imenso a baixar os valores de glicemia sanguínea fazendo o papel desta hormona que me dá vida (insulina), o dar fruto a um aumento da sensibilidade insulínica e diminuição da sua resistência, a forma como ajuda a reduzir um pouco os outros factores de risco, o efeito que o treino de força tem no controlo do meu peso, o carácter anti-depressivo e a transformação do meu corpo numa embalagem um pouco mais resistente e forte… Tudo isto levou-me a concluir um axioma: o treino não influencia apenas, ele dá-me vida.
Que música ouves enquanto treinas?
Se soubesses o que sabes hoje, terias feito alguma coisa diferente?
Tirei aprendizagens dos meus erros e até tenho arrependimentos, no entanto não gostaria de saber no passado aquilo que sei hoje. É um pensamento tóxico viver no arrependimento e só de pensar que não teria a proximidade de determinadas pessoas mudando a minha história, faz-me renunciar essa ideia completamente, só não erra quem não tenta. Aceito os meus erros.
Algum conselho para quem esteja a começar?
O primeiro conselho que posso dar a alguém esteja a começar a treinar é que procure a ajuda dum profissional com grau académico para que a sua planificação de treino seja a mais indicada. Depois, encontrar consistência no treino, recuperação/descanso e alimentação. Não deixar que a inactividade e sedentarismo o cativem para o caminho mais fácil.

Uma forma de conseguir isso é monitorizar a actividade diária com um dos milhares de produtos que existem com essas funções (pedómetros, apps de saúde, cardio-frequencímetros, etc.). Podia enumerar aqui alguns livros, mas na verdade seriam mais indicados para profissionais da área, portanto sugiro que sigam nas redes sociais algumas pessoas que podem dar umas dicas interessantes: Sérgio Veloso (@sergiosveloso), Brad Schoenfeld (@bradschoenfeldphd), Carolina Reis (@_carolina.reis), Dr. Paulo Gentil (@drpaulogentil)
Se só pudesses escolher um qual seria?
Treino
Treino de Força
Desporto/Modalidade
Várias
Exercício
Agachamento
Snack saudável
Maçã 🍏
Suplemento
Nenhum
Cheat Meal
Hamburguer 🍔
Alguma coisa que queiras promover?
Acompanhem o meu dia-a-dia no Instagram, @duartecerdeira. Neste site pessoal partilho o meu conhecimento enquanto diabético auto-didacta e profissional certificado com Licenciatura em Ciências do Desporto, Curso de Personal Trainer e várias modalidades Les Mills. Estou também disponível para trabalhos de Personal Trainer, Acompanhamento Online e Instrutor de Aulas.
Partilha esta entrevista
Mais entrevistas 👇
5 de M02, 19
Miguel Ruão
Treinar para ele está no topo das prioridades. É Economista e General Manager num grupo financeiro de capital estrangeiro e tem como hobbies viajar, surf, praia e cinema.
14 de M11, 18
Diana Souza
Desde criança que uma das suas paixões é o desporto, juntam-se agora a fotografia, ilustração, cinema, dançar e viajar. É Designer Gráfica Freelancer, natural do Porto e reside em…
19 de M02, 19
Pedro Barbosa
Da advocacia a professor de yoga. Carioca a viver em Lisboa. Gosta de estar em família e amigos, de meditar, surfar e estar sempre em atividade!
Recebe em primeiro lugar entrevistas como esta com Miguel Macedo.
Recebe em primeiro lugar as novas entrevistas e novidades.
Inscreve-me