30 de January, 2020
Lara
Tem 38 anos e é natural de Lisboa. Motivada em ser mais saudável pela filha, após uma depressão pós-parto em que ficou obesa, perdeu 47kg com uma vida mais ativa e equilibrada.
Natural de
Lisboa
Idade
38
Altura
1,60 m
Peso
60 kg
Quando é que começaste a ter cuidado com a tua forma física e o que te levou a começar a treinar?
Sempre fiz alguma actividade física durante a minha vida. Em criança pratiquei natação e ballet, na adolescência fiz dança jazz, mas era algo muito superficial e sem qualquer objectivo. Em adulta fiz pontualmente aulas de aeróbica ou cardio em máquinas. Foi há cerca de 10 anos que começou a minha verdadeira jornada. Na sequência de uma depressão pós-parto dei por mim obesa, comia compulsivamente de uma forma alarmante, como consequência desse excesso de peso desenvolvi uma doença auto-imune (espondilite anquilosante) e, como tal, tive que tomar medicamentos derivados da cortisona, que têm efeitos secundários que em nada beneficiam o excesso de peso, chegando assim aos 105kg. Foi então que ao chegar a um limite grave, com 26 anos, tomei a decisão de começar a fazer algo. A minha filha foi na altura a minha maior motivação: queria ser saudável por ela e para ela.

Inicialmente fiz o incorrecto: fui atrás dos mitos sem me informar, comia pouquíssimas calorias e fazia imenso cardio, ou seja, emagreci mas fiquei flácida e sem energia. Após estudo da minha parte e insistência para conseguir o corpo e saúde que almejava, descobri que o que funcionava para mim era uma combinação de IIFYM (If It Fits Your Macros) também conhecido como dieta flexível com treino curto e intenso como HIIT, combinado com a ultilização de pesos desafiantes para mim. Comecei por algo básico, fazia sempre as opções modificadas dos exercícios difíceis, por exemplo, flexão dos joelhos e meia dúzia de repetições, mas o corpo é fantástico, insistindo ele corresponde, e em cerca de um ano estava a fazer flexões de um braço, ou com palmas pelo meio.
E atualmente, o que te motiva a treinar?
Atualmente procuro sempre desafiar-me, isso inspira-me a fazer por mim, a testar os meus limites e ver o que mais consigo atingir a nível de agilidade e força.
Como é um dia típico para ti?
Em dias de semana, tenho a rotina habitual de uma família. Normalmente acordo por volta das 7 da manhã, hora em que acordo também a minha filha e me arranjo para ir para o escritório. Começo o meu trabalho às 9h da manhã, trabalho como manager de uma equipa de Gestão de Clientes. Em geral é um trabalho muito sedentário, mas como trabalho num sétimo andar - adivinhem? Vou pelas escadas! E assim aproveito para andar mais um pouco a pé.

É normalmente depois do trabalho que treino (não, não sou uma pessoa matinal, simplesmente não é para mim), portanto treino sempre quando chego a casa (perto das 19h). É o meu momento. Costumo treinar 4 vezes nos dias úteis, sendo que normalmente descanso às quartas-feiras. Treino também ao fim-de semana para fazer um mínimo de 5 treinos semanais, mas aí já sou mais flexível com o horário. Costumo deitar-me pelas 23h30 e termino o meu dia com 5 minutos de alongamentos relaxantes antes de me deitar.
Como é o teu estilo de treino semanal?
Adoro treinos intensos e desafiantes, como tal, dou previlégio a treinos tipo bootcamp, HIIT e incorporo movimentos de musculação, treino funcional, crossfit. Normalmente as minhas sessões de treino durante a semana não duram mais que 40 minutos. Treino mais direcionada para intervalos de tempo, por exemplo, faço 50 segundos de actividade e 10 segundos de descanso, em circuitos de diversos exercícios, que partilho diariamente com quem me segue nas redes sociais. Os meus treinos costumam ser mais full-body, mas faço por focar mais pernas 3 vezes por semana e superiores e abdominal nos outros 2 dias.

Faço os meus treinos em casa desde sempre. Primeiramente porque tinha vergonha de ir ao ginásio devido à minha obesidade, mas depois tornou-se um hábito, poupo tempo e dinheiro, logo, arranjo menos desculpas para não fazer. Antigamente os treinos eram feitos na minha sala, com halteres, barra, corda de saltar e pouco mais. Mais recentemente tenho um espaço em minha casa que criei como mini ginásio.
Quais são os teus hábitos alimentares?
A nível de alimentação, sendo que sigo uma dieta flexível, faço por comer 85% vindo de boas fontes nutricionais. Alimentos pouco processados e com controlo dos macro nutrientes que ingiro. Deixo os outros 15% para incluir alimentos mais gulosos com moderação. Assim evito ter desejo por algo mais nocivo porque não estou proibida de nada, assim sendo, também não tenho necessidade de cheat day, porque não me privo de comer o que quero, desde que encaixe nas minhas necessidades calóricas e macro nutricionais. Tento fazer cerca de 5-6 refeições diárias, as 3 principais refeições e snacks intermédios. Procuro que as refeições sejam equilibradas, mas porque nem sempre o consigo fazer socorro-me de suplementação como proteína whey e multivitaminico. Devido à exigência dos meus treinos tomo ainda Creatina, BCAA e Ómegas. E por fim, para combater os sintomas da minha doença auto-imune tomo Colagénio e L’ Glucosamina.
Que influência tem o treino na tua vida?
O treino é um anti depressivo muito subestimado, eu não vivo sem. Nem tanto pela questão do aspecto fisíco, que obviamente é um apelo, mas principalmente pelos efeitos benéficos gerais. Tenho mais energia, sou mais flexível, tenho melhor humor, melhor disposição sexual, tudo muda quando incluímos no nosso estilo de vida uma actividade fisíca constante que adoramos fazer.
Que música ouves enquanto treinas?
Se soubesses o que sabes hoje, terias feito alguma coisa diferente?
Se pudesse mudar algo nunca teria ficado obesa. No meu percurso posterior tinha começado a estudar mais cedo sobre a melhor forma de melhorar, em vez de ir atrás de mitos que atrasaram o meu percurso. Somos indivíduos e, como tal, diferentes - e são essas diferenças que temos de descobrir para encontrar o nosso caminho e ver o que resulta para nós.
Algum conselho para quem esteja a começar?
O importante é começar, mas não colocar demasiada pressão nas primeiras semanas. Implementar mudanças que sejam possíveis para o nosso estilo de vida e arranjar uma atividade física que nos dê prazer fazer é a chave para a consistência. Temos que nos tornar a nossa prioridade, ter objectivos possíveis e realistas. Vão haver altos e baixos. Vais falhar mas não faz mal porque aprendemos com os erros cometidos e voltamos a iniciar a nossa jornada. É um estilo de vida e não uma dieta temporária.

A mim ajudou-me seguir pessoas nas redes sociais que já haviam passado pelo mesmo, que me entendiam de alguma forma, ler e estudar, procurar estar informada. Uma app que me ajudou na alimentação foi a MyFitnessPal e, quando iniciei os meus treinos, socorria-me imensas vezes de videos de Youtube.
Se só pudesses escolher um qual seria?
Treino
Bootcamp
Desporto/Modalidade
HIIT
Exercício
Jump tuck burpees
Snack saudável
Panqueca proteica 🥞
Suplemento
Whey
Cheat Meal
Tarte de caramelo salgado
Alguma coisa que queiras promover?
Eu partilho diariamente a minha vida e treinos inteiros no meu instagram @lara.sfit. Adoro poder ajudar outros e sim também ser motivada por quem me segue. Sou parceira com algumas marcas de nutrição: consulta o meu perfil para acederes aos cupões de desconto. 😉
Partilha esta entrevista
Mais entrevistas 👇
21 de Nov, 18
Eduardo Xavier
A sua paixão é o boxe, mas não dispensa também um treino ao ar livre. Natural de Guimarães, com 29 anos é empresário na área da restauração, sócio da cadeia de restaurantes…
23 de Oct, 19
Marta Moura
Personal Trainer e Influencer Digital da Women’s Health Portugal. Tem 41 anos, é de Cascais e trabalha na indústria do fitness há quase 20 anos.
5 de Nov, 19
Gonçalo Estêvão
Atleta de Men’s Physique de 26 anos, natural de Faro. A paixão pelos treinos e a vontade em aprender sempre mais, motivou-o a tirar o curso de Personal Trainer.
Recebe em primeiro lugar entrevistas como esta com Simone Matos.
Recebe em primeiro lugar as novas entrevistas e novidades.
Inscreve-me